Pessoas que usavam bengalas ou andavam amparadas voltaram a andar com independência 

A Clínica da Dor, um projeto pioneiro da Prefeitura de Volta Redonda que voltou a funcionar há menos de dois meses, já atendeu cerca de quinhentos pacientes e realizou mais de mil procedimentos. Muitas histórias de recuperação de pacientes e de superação foram acumuladas em tão pouco tempo, mostrando que a retomada do serviço foi acertado.
Uma das beneficiadas com a iniciativa é a dona Herondina da Silva, 65 anos, moradora do bairro Santo Agostinho, que chegou à Clínica da Dor de bengala e acompanhada por um familiar como amparo.


“Logo na primeira sessão eu já sai da clinica sem bengala. Foi formidável. Eu já tinha tentado fisioterapia e hidroterapia e a dor não passava. É, realmente, uma iniciativa maravilhosa que a administração municipal teve em criar esse serviço que, além de ser excelente, é de graça”, disse dona Herondina.
Viviane Dória Alves, 34 anos, moradora do Santo Agostinho, está grávida de quatro meses e vem sofrendo com muita dor lombar. “Esse é um momento especial para mim, mas não estou podendo curtir a gravidez como eu queria por estar sentindo muita dor. Depois que passei pela Clinica da Dor é que estou começando a fazer minhas tarefas. Antes eu não conseguia nem levantar da cama sozinha. Já estou ansiosa para a próxima sessão”, disse Viviane.


O serviço, oferecido à população por meio do SUS (Sistema Único de Saúde) – através do Serviço de Fisioterapia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) oferece tratamento para dores crônicas (de longa duração, que podem durar anos) ou agudas (casos pontuais de dor, causados por alguma torção, por exemplo), com a utilização do RPG, Pilates e Osteopatia (especialidade da Fisioterapia que utiliza a manipulação das articulações do paciente para reequilibrar o corpo, gerando um processo de autocura).

 

O coordenador da Clínica da Dor, João Paulo Gioseffi Vassallo Filho, destaca que Volta Redonda é a primeira cidade do Estado do Rio de Janeiro a oferecer este tratamento pelo SUS e a condensar as três especialidades em um único setor, fazendo com que cada paciente tenha a possibilidade de uma visão multisetorial. ”A disponibilidade destes tratamentos especializados e específicos, nos demonstra a responsabilidade do Governo Municipal e da Coordenação Municipal de Fisioterapia em levar o que há de melhor para a população de Volta Redonda, com profissionais capacitados, que assim, conseguem trazer resultados a cada dia melhores, realmente recuperando as disfunções apresentadas pelos pacientes que procuram o setor de Fisioterapia do município”, disse o coordenador.


Como acessar o serviço


Para ter acesso ao serviço na clínica, que funciona no Acesso Azul do Estádio da Cidadania, além de ser morador da cidade, o paciente precisa ser encaminhado pelas UBSFs (Unidades Básicas de Saúde da Família) ou hospitais públicos (Munir Rafful e São João Batista). Eles seguem o protocolo de avaliação dos profissionais do Centro Municipal de Reabilitação Física (CEMURF), que encaminham para o setor pertinente ao melhor atendimento da sua patologia

A unidade conta com três fisioterapeutas, que são responsáveis pelo tratamento de Pilates, dois fisioterapeutas no RPG e um Osteopata, além de um administrativo. O setor, conta com macas específicas para tratamento de RPG e para a realização da conduta de Osteopatia, além de aparelhagem completa para realização do Pilates.

 

Foto: Geraldo Gonçalves- Secom/PMVR