Ideia é revitalizar o espaço físico das lojas e oferecer treinamentos aos empreendedores

Com a proposta de inovar e torná-los mais atraentes, a Prefeitura de Volta Redonda, por meio da Smac (Secretaria Municipal de Ação Comunitária), IPPU (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano) e SMDET (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo), está desenvolvendo um projeto para valorização dos mercados populares da cidade. A iniciativa conta com a parceria do Sebrae e visa revitalizar e padronizar os espaços dos comerciantes e oferecer treinamentos para que eles possam expandir seus negócios. Na última quarta-feira, dia 2, o grupo se reuniu para discutir o início do projeto.

As ações serão divididas em quatro etapas. A primeira prevê a capacitação para gestão de negócios (formação de preços, controle financeiro, mídias digitais e atendimento e vendas); a segunda, realização da padronização dos letreiros dos boxes, formalização de regras para os layouts e manutenção. Na fase três, o objetivo é desenvolver o conceito de shopping, inclusive com marketing coletivo como costumam ser realizados nesses centros comerciais: “Semana dos Namorados”, por exemplo.

E na quarta e última fase, os permissionários dos boxes passariam por mais capacitações com intuito de expandir e alcançar novos mercados, dando oportunidade para outros microempreendedores.

Volta Redonda conta com quatro mercados populares: na Vila Santa Cecília, Retiro, Aterrado e Amaral Peixoto. O projeto de valorização e revitalização dos espaços será apresentado aos permissionários ainda em junho. Enquanto isso, todos os comerciantes populares da cidade foram cadastrados pelo Banco Cidadania; ao todo são 104 empreendedores.

“Queremos deixar esses espaços de compras mais bonitos e atrativos para os clientes, potencializando as vendas deles. Enxergamos os mercados populares de Volta Redonda como uma grande ‘incubadora de negócios’. A ideia é trabalharmos o conceito de transitoriedade. Ou seja, o microempreendedor que ali está tem condições de crescer, expandir seus negócios e abrir uma loja em outro lugar. Assim, ele cede aquele espaço inicial para outros que também querem empreender”, comentou a coordenadora do Sebrae no Sul Fluminense, Paola Tenchini.

O assessor técnico do Banco da Cidadania, também envolvido na revitalização dos mercados populares, Marcos Vinicio Lopes, frisou a importância de “ressignificar” esses pontos de comércio na cidade.

“A gente quer tirar essa ideia de camelódromo. Queremos criar um shopping horizontal. Quando o Mercado Popular foi criado lá atrás, o governo municipal agiu de forma correta, formalizou os informais, mas parou por aí. Agora queremos retomar isso e desenvolver esses locais, dando auxílio aos que já estão lá para poderem crescer e oportunizando a chance de empreender para outros”, destacou Lopes.

Também participaram da reunião, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Sergio Sodré, as coordenadoras do Departamento de Atenção Básica e de Ações de Inclusão Produtiva da SMAC, Rosane Marques, a Branca, e Marlene Mota.