Equipamentos serão instalados no anexo adaptado em parceria com empresários da cidade
 
A Prefeitura de Volta Redonda, através da Secretaria Municipal de Saúde, começou a equipar os leitos recém-construídos no anexo ao Hospital Municipal Munir Rafful (HMMR), do Retiro. A unidade recebeu na manhã desta sexta-feira, dia 16, 10 respiradores para atendimento às vítimas da Covid-19 em estado grave. Dez monitores, camas e outros itens estão chegando nos próximos dias para completar a montagem dos novos leitos.
A diretora-geral do hospital, Márcia Cury, lembra que para colocar em funcionamento os leitos também estão sendo feitos investimentos para a ampliação da potência da energia do hospital. “Vamos substituir os dois atuais transformadores e, com isso, dobrar a capacidade de gerar energia. Serão transformadores mais potentes, que vão suportar toda a carga necessária para atender os novos equipamentos, que são além dos respiradores, o sistema de refrigeração deste novo setor do hospital”, disse Márcia.
Antes disso, a Prefeitura já havia providenciado a troca do sistema de abastecimento de oxigênio da unidade. Com isso, já foram abertos nos últimos dias 10 leitos de UTI, 46 de Clínica Médica e outros quatro de unidades intermediárias.
 
Obras físicas dos novos leitos concluídas
 
As obras físicas dos leitos hospitalares já estão concluídas e correram graças a uma campanha de arrecadação de verbas com comerciantes e empresários locais, além de pessoas físicas e até mesmo igrejas. A campanha Conexão Solidária arrecadou mais de R$ 400 mil e foi uma iniciada através de uma parceria entre o prefeito Antonio Francisco Neto e a CDL-VR, mas foi ganhando adesão de diversos setores da sociedade ao longo dos meses.
Nesta etapa, foram preparados 30 leitos no anexo ao Hospital do Retiro, no prédio da FOA/UniFOA, no campus Leonardo Mollica. Passada a pandemia, os leitos ficarão de legado para a rede pública de saúde. Com a chegada dos equipamentos, a Prefeitura fica perto de inaugurar o anexo. "Pelas proporções, estamos perto de inaugurar um novo hospital. Serão mais 30 leitos. Quando assumimos, pegamos a cidade com 5 leitos de UTI. O governo anterior fechou dois hospitais e deixou os salários dos servidores atrasados. Isso no pior momento da pandemia. Estamos reestruturando nossa rede hospitalar no pior momento da pandemia e cada avanço é muito importante", disse o prefeito Neto.
 
Foto: Secom/PMVR