A bandeira do Município de Volta Redonda foi idealizada pelo Dr. Miguel Barroso do Amaral. Acompanhando, essencialmente, o pensamento do poeta Guilherme de Almeida, autor do brasão da Cidade do Aço, o ilustre projetista conseguiu relatar simples e claramente, desde a origem, a história econômica do nosso Município.

Assim, vemos a primeira riqueza da antiga Volta Redonda, simbolizada nas listas brancas e amarelas, representativas do Rio Paraíba, - listas brancas - que proporcionavam toda a grandeza desse imenso vale, concretizando-se, mercê do trabalho de seus habitantes, em riquezas crescentes - oito listras amarelas.

Encontramos no retângulo negro, composto em um dos cantos superiores da bandeira, sobre a qual ressalta um feixe de raios amarelos, a imagem perfeita da nossa economia atual, a dinamização da indústria pesada que faz de Volta Redonda um dos mais importantes centros da América do Sul, hoje conhecido do mundo inteiro.

Com esta descrição entendemos que, os dois símbolos - brasão e bandeira – se completam, caracterizando de forma marcante a destinação histórica do Município de Volta Redonda.

A Bandeira Municipal foi instituída pela Deliberação nº 164, de 30-12-1957.

 

Oficializado a partir da Deliberação nº 141, de 2 de março de 1957. O Brasão está composto da seguinte forma:

Escudo Português de Sabre - é o Escudo que convém "a descendentes de português" e está "de acordo com o uso já consagrado no Brasil". Na simbologia material, o que corresponde a terra: a que fornece o minério, sangue e alimento da Cidade do Aço e, na espiritual, o que traduz, firmeza e vigilância que o Brasil inspira a sua máxima e substancial indústria.

Feixe de raios de Ouro - Os raios que desferia Júpiter, no Étna, fundidos por Vulcano: nobre imagem mitológica em substituição às chaminés e rodas dentadas. Como estão, os raios de ouro "no centro" ou "abismo", do Escudo que representa o coração, querem eles dizer que das forjas da Usina de Volta Redonda se irradia por todo o País o seu sangue novo, feito de brilho, justiça, fé, força e constância.

Coroa de Torres em Ouro - Coroa natural de ouro de quatro torres, das quais torres somente duas se vêm: uma completa ao centro, e meia de cada lado, como o estabelecem as leis de perspectiva heráldica.

Ciclopes – “Os Tenentes”, homenagem ao operário de Volta Redonda, pois que eram os ciclopes os "Obreiros de Vulcano", gigantes que forjavam os raios de Júpiter Tonante.

 

Bigorna - a base para os "tenentes" e o escudo; e nenhum se oferece mais digno e próprio para o brasão de armas da Cidade do Aço do que a figura de rijo sentido e severa beleza da bigorna.

FLUMEN FULMINI FLEXIT - Frase em latim, recorda a origem de nossa raça. Significa que “O rio ("flumen"), ante o raio ("fulmini") dobrou-se ("flexit")”, contendo assim os dois elementos (siderúrgicos) e o geográfico (volta do rio).