Projeto será realizado com pesquisadoras da Universidade Federal Fluminense (UFF) e visa desenvolver kits de ciências

 

A Fundação Educacional de Volta Redonda (FEVRE) está implantando, juntamente com pesquisadores da Universidade Federal Fluminense (UFF), um projeto denominado “Todos nas ciências: criando experimentos didáticos de Física e Química utilizando arduíno", que visa desenvolver kits automatizados de ciências utilizando tecnologias como Android, Java e arduíno. Os alunos que irão participar do projeto fazem parte do Projeto de Robótica Educacional da FEVRE.

 

Com duração de um ano, de maio deste ano até 2020, o projeto será implantado inicialmente no colégio João XXIII e futuramente expandido para toda rede da FEVRE, onde os alunos irão desenvolver os kits arduíno. O “Todos nas ciências: criando experimentos didáticos de Física e Química utilizando arduíno", será subdividido em sete subprojetos, e cada um desenvolverá um produto ao final do período.

 

De acordo com o diretor-presidente da FEVRE, Waldir Bedê, esta será uma grande oportunidade dos estudantes da Fundação de desenvolver um projeto científico-tecnológico. “Esse projeto, que será realizado com pesquisadores e estudantes de graduação da UFF, vem se unir aos outros já realizados na Fevre como Robótica, FEVRE de Olho no Céu e Empreendedorismo”, disse Waldir Bedê.

 

O prefeito Samuca Silva destaca que é indispensável investir cada vez mais na educação, trazendo inovação com aulas mais estimulantes e diferenciadas. “É através dessas parcerias e inovações que estamos construindo uma educação de qualidade em Volta Redonda”, ressaltou o prefeito. 

 

Segundo a diretora do Departamento Pedagógico da Fevre, Priscilla Carvalho Reis Meletti, existe uma carência de kits de ciências nas escolas, bem como nas universidades. “Os experimentos realizados nas universidades, muitas vezes são importados e de custo bem elevado. A ideia é desenvolver kits de ciência e futuramente a criação de uma startup nacional com experimentos criados no projeto”, disse a diretora.


Por Fátima Santos - SecomVR