A Prefeitura de Volta Redonda vai pagar, até o final de 2019, R$ 65.771.734,94 em precatórios. O valor corresponde aos anos de 2018 e 2019. Apenas neste ano, o valor a ser pago é de R$ 34 milhões. Os precatórios são dívidas do município através de requisições de pagamento expedido pelo Judiciário, seja de dívidas de fornecedores até ações trabalhistas. Há precatórios desde 1996 ainda a serem pagos pelo município.

 

Já nos próximos anos, segundo cálculos da secretaria municipal de Fazenda, Volta Redonda vai ter que pagar mais cerca de R$ 105 milhões em precatórios. Esse valor faz parte do montante de dívida da cidade, que acumulado está na ordem de R$ 1,7 bilhão, conforme dados do poder público.

 

Segundo o prefeito Samuca Silva, o alto índice de endividamento do município reduz o poder de investimento da cidade.

 

“Estamos em uma grave crise financeira, com queda de repasses e de convênios com os governos Estadual e Federal. Conseguimos aumentar a arrecadação própria com muita gestão, mas temos uma dívida gigantesca que estamos pagando. Tivemos que renegociar dívidas, como a dos precatórios, que atrapalham investimentos. Somente nesse ano vamos pagar R$ 34 milhões em precatórios, valor que poderia estar sendo investido na saúde, educação e na valorização dos profissionais”, disse o prefeito.

 

O prefeito ainda lembrou que com gestão eficiente a prefeitura está conseguindo manter os serviços públicos, os salários dos servidores em dia e ainda está avançando.

 

“É com gestão eficiente que estamos controlando as dívidas e avançando, assim abrimos o Restaurante Popular, a Arena Olímpica, o Hospital do Idoso, a compra do Santa Margarida, realizamos concursos públicos para Guarda Municipal, Secretarias de Saúde; Administração e Educação, entre outros avanços. O momento é difícil de ajuste fiscal. Deixaram uma dívida gigantesca que inviabilizaria qualquer investimento na cidade, mas com criatividade estamos avançando”, comentou Samuca.

 

Buscando aumentar a arrecadação, a prefeitura de Volta Redonda lançou um edital inovador para cobrança de Dívida Ativa – modelo existente em apenas mais um município. Trata-se da licitação que instituições financeiras apresentem propostas para realizarem a cobrança da dívida pública (inscritas em Dívida Ativa), que atualmente é de R$ 2 bilhões (valor que o município tem a receber).

 

Por SecomVR