Prefeito Samuca Silva assinou o documento na noite desta sexta-feira, dia 07; Cidade estuda projeto para incentivar modalidade

 

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, assinou um decreto nesta sexta-feira, dia 07, liberando os funcionários públicos para assistir aos os jogos da Seleção Brasileira na copa do mudo feminina de futebol. De acordo com o decreto quando os jogos forem às 13h, os funcionários serão liberados às 12h. Quando os jogos forem às 16h, eles sairão às 15h.

 

O decreto contempla os servidores das áreas administrativas da prefeitura . Serviços de saúde e educação não estão inclusos no decreto assinado pelo Chefe do Executivo. "Essa flexibilização de horário é adotada durante os jogos da Copa do Mundo de futebol masculino, portanto nada mais justo do que o mesmo acontecer com o futebol feminino, pois isso reflete a isonomia entre os gêneros. Consideramos que toda a ação que possa remeter a igualdade contribui para o desenvolvimento da política pública da mulher " ,  destacou o prefeito Samuca Silva.

 

Em paralelo ao decreto, as secretarias municipais de Esporte e Lazer; e de Políticas Públicas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos, estão desenvolvendo um projeto para a criação de um time de futebol feminino da cidade, envolvendo toda a rede de educação. "É importante o estímulo para que elas escolham ir a campo e praticar esse esporte que é uma paixão nacional. Nós temos grandes ícones, como a Marta, e a gente pode e deve começar a estimular que as crianças façam opção por essa modalidade esportiva, independente do gênero",  destacou a secretária da SMIDH, Dayse Pena.

 

O prefeito Samuca Silva ainda destacou que o ato, apesar de simples, é carregado de simbolismo.  "Nós empoderamos em Volta Redonda a secretaria específica que atua na política pública da mulher e essa pasta tem esse papel missionário de oferecer ao Médio Paraíba um caminho de igualdade de gênero no esporte. Eu estou muito feliz com essa questão. Pode parecer algo simples, mas é extremamente simbólico e muito importante para política de igualdade de gêneros", completou.

 

SecomVR