Documento foi criado de forma participativa com a população

 

O Plano Municipal para Infância e Adolescência (PMIA) foi encaminhado à Câmara Municipal de Volta Redonda nesta quinta-feira, dia 25. Esse é mais um passo na consolidação de uma política pública voltada para a proteção e garantia dos direitos de crianças e adolescentes na cidade. O documento foi criado de forma participativa e chegou a receber mais de seis mil sugestões.

 

O prefeito Samuca Silva explicou que o documento norteia a política pública voltada para a infância e adolescência a ser implantada na cidade de acordo com as necessidades e prioridades apontadas pela própria sociedade. Tudo isso em um processo democrático e participativo. “Esse será mais um legado deixado para a população. O processo de criação foi intenso, bem detalhado e levou dois anos para ficar pronto”, disse o prefeito.

 

Mais de 10 secretarias fazem parte do grupo intersetorial com a atuação dos gestores públicos. Houve a participação de 25 instituições sociais atreladas ao CMDCA (Conselho Municipal pelos Direitos da Criança e do Adolescente) e ao Finad (Fundo para Infância e Adolescência de Volta Redonda), além da participação dos alunos nos laboratórios de informática das escolas da FEVRE, todos contribuindo com propostas.

 

De acordo com uma das coordenadoras do PMIA, Bárbara Cunha, a elaboração do Plano foi estimulada pela Fundação Abrinq, organização sem fins lucrativos de direito privado, que defende a proteção dos direitos das crianças e adolescentes e é responsável pelo programa Prefeito Amigo da Criança. “Acesso à cultura, esporte, lazer e alimentação, além de assistência social, saúde e educação foram alguns dos eixos principais abordados no plano”, comentou Bárbara.

 

Secom VR, com fotos de Felipe Carvalho