O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Volta Redonda (Saae-VR) vem usando o sistema GIS, uma ferramenta de geoprocessamento que  permite a integração entre bancos de dados alfanuméricos (tabelas) e gráficos (mapas), para o processamento, análise e saída de dados georreferenciados. Os produtos criados são arquivos digitais contendo mapas, gráficos, tabelas e relatórios convencionais.

 

Com isso, a autarquia obtém benefícios como a integração dos diversos setores da empresa, o aumento da agilidade da resolução dos problemas encontrados, da qualidade dos serviços e, finalmente, o aumento da eficiência nos processos de trabalho como um todo. Todas estas ferramentas de gestão são revertidas em ganhos de produtividade da empresa e, em consequência, em ganhos na qualidade de vida da população de Volta Redonda.

 

O que mudou

 

Até o ano 2000 o cadastro das redes de água e esgoto era feito em papel. No início de 2001, iniciou-se a implantação do cadastro digital de “redes inteligentes”. Em 2004, começou a ser feito o do cadastro em campo dos hidrômetros em sua posição real. No ano seguinte, as redes foram disponilbilizadas através da Intranet, porém com funcionalidades reduzidas.

 

Em 2006, começou o desenvolvimento de sistema próprio para disponibilização das informações – Sistema SAE e a integração com sistema de OS’s. Já no início de 2007 houve integração do sistema SAE com a telemetria.

 

Futuro

 

Os profissionais do Saae consideram o geoprocessamento o primeiro passo para projetos muito mais ambiciosos.  As possibilidades de integração de sistemas de geoprocessamento são inúmeras, tanto na área de telemetria quanto em qualquer outro setor da empresa.  Será possível, num futuro não muito distante, utilizar a base de dados nas ruas, realizar alterações on-line, monitorar e operar válvulas e registros à distância e estudar o comportamento da rede em tempo real, monitorar poços de visita mais críticos e monitorar os veículos a fim de encontrar a viatura mais próxima de ocorrências emergenciais.

 

Secom VR