Escola Municipal de Equitação encerra atividades de 2018

Para 2019, número de vagas será ampliado em quase 50% para alunos da Rede Municipal de Ensino

 

Com uma festa de confraternização entre os trinta alunos e seus familiares, a Escola Municipal de Equitação de Volta Redonda encerrou as atividades do ano de 2018. O evento, na Ilha São João, sede da escola, teve salgadinhos e refrigerantes, mas para a comemoração de fim de ano ser perfeita para os alunos, teve também exibição sobre os cavalos.

 

O coordenador do projeto, ligado à FBG (Fundação Beatriz Gama), Rodrigo Santos, afirmou que a escola atende crianças e adolescentes da Rede Municipal de Ensino de Volta Redonda, entre 8 a 14 anos. “As atividades serão retomadas em março de 2019 com 50 vagas. A seleção, feita pela direção das escolas, começa em fevereiro”, disse.

 

Rodrigo acrescentou que a demanda pelas vagas sempre parte da escola, mas os pais também podem pedir para participar, procurando a direção da unidade escolar. “O nosso objetivo é ensinar aos alunos noções básicas de equitação e trabalhar aspectos como: disciplina, concentração e responsabilidade, a fim de criar hábitos de cidadania e participação social através do esporte. Além disso, revelar possíveis talentos que poderiam despontar em níveis municipal, estadual e até mesmo nacional”, acredita o coordenador da escola.    

Se vão ser grandes atletas da modalidade, os alunos ainda não sabem. A característica comum é o amor pelos animais e a amizade com os colegas. Karyn, de 13 anos, aluna do 8º ano do ensino fundamenta da Escola Municipal Espírito Santo, é uma das veteranas na Escola de Equitação. “Estou há dois anos treinando com os cavalos. Sempre gostei de animais, mas tinha medo. Hoje, estou mais confiante e também mais calma por conta do esporte”, afirmou.

 

O pai dela, Rangel da Rocha, vê outros benefícios nas aulas de equitação. “Após o treinamento, ela está mais atenta, levanta com mais disposição para a escola, fez mais amigos e a relação em casa, com os familiares, também melhorou”, contou.

 

Angélica Cataldi, mãe do Ruan, de apenas 8 anos, aluno do 2º ano do ensino fundamental da Escola Municipal Sergipe, que fez equitação em 2018, concorda com Rangel. “Meu filho está mais tranquilo, mais atento na escola. E essa postura reverteu em melhores notas no boletim”, disse.

 

“É mais um artifício utilizado pela Rede de Educação de Volta Redonda para proporcionar desenvolvimento de valores importantes para o crescimento das crianças como a pontualidade, responsabilidade, higiene pessoal e convivência social. Isto é, disciplina”, afirmou o prefeito Samuca Silva.  

 

Por Renata Borges com fotos de Geraldo Henrique – Secom/VR