Educadores participaram de atividades como percepção do ambiente, concentração e ambientação

 

Na manhã desta sexta-feira, dia 31, professores do Colégio José Botelho de Athayde, em Volta Redonda, foram levados a conhecerem o trabalho desenvolvido com os alunos do Projeto Atua Fevre, através da experimentação dos conteúdos ministrados nas aulas do projeto. A oficina de teatro aconteceu para os educadores e funcionários durante a Discussão Pedagógica.

 

O Professor de história e coordenador do Atua Fevre, Benvindo Alexandre de Paiva, explicou que essa foi apenas uma amostra das atividades realizadas nas turmas do Projeto com atividades como percepção do ambiente, concentração e ambientação.

 

“Peço apenas que na medida do possível, que se doem de forma natural e cada qual a teu tempo para que a realização dos mesmos seja completa e os objetivos possam ser atingidos. No mais, tudo não passará de uma delicada e divertida brincadeira que nos auxiliará nos processo de autoconhecimento e, por que não, no desestresse do dia a dia”, contou Ben, acrescentando que essas atividades são realizadas com os alunos para que se sintam parte do todo, com jogos de improvisos, que facilitam o jogo cênico e a composição dos personagens em todos lugares diversos.

 

Antes da oficina, os alunos do projeto fizeram uma apresentação para os professores como trabalho final do semestre. A aluna Lays Pedersoli, de 14 anos, era uma das integrantes da peça “Quando me amei de verdade, de Carlos Drummond de Andrade”. “Desde quando comecei a fazer teatro sinto que melhorei em vários aspectos, e essa apresentação de hoje foi muito legal e mostra o resultado do nosso desempenho nas aulas”, afirmou.

 

De acordo com o presidente da FEVRE, Waldir Bedê, o projeto Atua FEVRE, vem resgatar e proporcionar ao aluno um espaço para que ele possa se conhecer enquanto ser humano, nas perspectivas da representação, do espaço e tempo, descobrindo um talento, uma habilidade que só atuando ele consegue perceber. “A oficina para os profissionais da escola vem mostrar esse novo despertar, indo ao encontro da proposta educacional, dentro da programação pedagógica e a parte cultural do Governo Samuca Silva”, disse o presidente.

 

O prefeito Samuca Silva ressalta que a educação tem que surpreender e cativar os alunos. “O conhecimento se constrói a partir dos desafios e promover atividades que despertem o interesse, a curiosidade, a imaginação e a criatividade, é o melhor caminho”, finalizou o prefeito Samuca.

 

Por Renan Ferreira com fotos de Geraldo Gonçalves - Secom/VR