Aulas de luta adaptadas fazem parte do ‘Eu me amo, eu me protejo’; Treinamento é parceria entre SMIDH e Smel

 

Estão abertas as inscrições para o preenchimento de novas vagas do projeto de defesa pessoal “Eu me amo, eu me protejo”, promovido em parceria entre as secretarias de Políticas Públicas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos (SMIDH) e de Esporte e Lazer (Smel). O projeto consiste em aulas de luta, adaptadas para a defesa pessoal de mulheres em situações de assédio, abuso e agressão.

 

As aulas acontecem no Cemam (Centro Municipal de Artes Marciais), localizado no Ginásio Poliesportivo Amaro Inácio, bairro Retiro, às terças e quintas, nos horários de 7h ou 19h. As inscrições podem ser feitas através dos telefones 3339-9025 (SMIDH) ou 3339-2286 (Cemam).

 

“O projeto tem o objetivo de fortalecer e conscientizar as mulheres sobre a vulnerabilidade no espaço social, visando o enfrentamento da discriminação, violências psicológica e física, por meio de técnicas básicas de autodefesa. O intuito não é incitar a violência, mas prevenir os casos de agressão e auxiliar na defesa por parte das mulheres”, explicou a secretária da SMIDH, Dayse Penna.

 

O projeto conta agora com a presença de uma psicóloga nas aulas dos grupos, todas as terças, levando falas de reflexão sobre a temática da prevenção contra a violência à mulher. “O propósito dos encontros é gerar uma reflexão nas participantes a respeito da violência, orientar e informar sobre os serviços da rede, sendo o nosso acompanhamento psicológico um complemento às aulas, funcionando como uma alternativa extra às mulheres”, afirmou a psicóloga Vanilda Coutinho.

 

As aulas são ministradas pela professora Luciana de Faria Lima da Smel. A secretária de Esporte e Lazer, Maria Paula Tavares, enfatizou que o projeto, além de colaborar com o enfrentamento à violência, ajuda também na prática de atividades.

 

“O intuito do projeto é dar a oportunidade da mulher sair de um risco de violência. A idealizadora do projeto, a campeã mundial e pan-americana de Jiu-Jitsu, Érica Paes, sempre realiza capacitações para nossos profissionais com metodologias e técnica simples. O projeto é realmente um diferencial na vida das mulheres, alinhando um trabalho físico e também um trabalho psicológico com profissionais qualificados, tanto da SMEL quanto da SMIDH”, disse Maria Paula Tavares.

 

Para o prefeito Samuca Silva, a integração entre as secretarias para esse projeto é fundamental para o sucesso no atendimento às mulheres.

 

“Com a estrutura municipal integrada, conseguimos oferecer tanto o atendimento psicológico quanto atividades físicas, além de ajudar essas mulheres a se defenderem da violência que são vítimas. Esse é o papel do poder público e Volta Redonda conta com uma rede de atendimento à mulher bem eficiente”, ressaltou o prefeito.

 

Por Raphael Martiniano, com fotos de Geraldo Gonçalves. / Secom VR