Programa “Produzindo Prosperidade – crenças financeiras” acontece na Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos

 

A designer de Moda, Tatiana Cruzeiro, de 24 anos, tem uma marca de bijuterias em Volta Redonda e, na busca por mais conhecimento para ajudar nas finanças de seu negócio, participou na manhã desta sexta-feira, dia 3, do terceiro encontro do programa “Produzindo Prosperidade – crenças financeiras”, realizado na sede da Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos (Smidh).

 

“Fiquei sabendo do primeiro módulo, participei e gostei muito. Esse módulo de hoje me interessou mais, porque tenho meu negócio há quatro anos, mas o que mais me prende é a parte financeira. Vim buscando essa visão para saber lidar com o dinheiro que entra e a questão do investimento”, afirmou Tatiana, acompanhada da mãe que também participou da oficina e incentivou a filha.

 

Quem ministrou a oficina foi o coach Djalma Magalhães. Segundo ele, o programa conta com quatro encontros que têm o objetivo de incentivar as mulheres na busca pela independência financeira e programação de renda.

 

“O nosso sucesso financeiro está mais ligado a crenças financeiras. Quando a gente pensa no dinheiro, pensamos em que forma nos relacionamos com ele. A quebra dessas crenças é o quê a gente propõe nesse programa”, explicou Djalma, acrescentando que o “Produzindo Prosperidade” faz parte do programa Produzindo Qualidade de Vida.

 

“Ás vezes, você trabalha muito, chega em casa e está com a sensação de que não fez nada. E tem dias em que não fazemos tantas coisas, mas achamos o dia maravilhoso. Esse é um programa de produtividade com foco na qualidade de vida. Ajuda a entender o quê é preciso fazer no dia a dia para se sentir mais produtivo”, acrescentou o coach.

 

De acordo com a secretária municipal de Políticas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos, Dayse Penna, a ideia da oficina é mostrar que essas mulheres podem pensar na prosperidade a partir dos próprios talentos.

 

“Estamos desenvolvendo essa capacidade de reconhecer que tudo aquilo que a gente faz pode produzir não só o beneficio social, mas também recursos específicos, seja dinheiro, viagens, aquilo que a gente quer movimentar para se sentir melhor e mais feliz”, explicou Dayse, lembrando que a questão do empreendedorismo foi identificada no primeiro ano de governo.

 

“Quando fizemos o diagnóstico em 2017, percebemos que as mulheres, além de falarem num primeiro momento sobre valorização e respeito, citaram também a empregabilidade. Então, começamos a unir a oficina de desenvolvimento humano com o olhar para que, depois que ela pudesse estar se sentindo empoderada, pudesse então ser desenvolvida para a questão do empreendedorismo, seja em condições próprias ou também empreender dentro de seu ofício”, ressaltou a secretária.

 

Para o prefeito Samuca Silva, o empreendedorismo é incentivado pela prefeitura desde o início do governo. “Investimos em desburocratização e em ações como incentivos para as pessoas saírem da informalidade e atuarem como Microempreendedores Individuais, por exemplo. Através desse programa, estamos oportunizando a essas mulheres uma forma de crescer profissionalmente, de forma que melhore sua qualidade de vida”, afirmou o prefeito.

 

Por Raphael Martiniano, com fotos de Gabriel Borges / SecomVR