Ação inédita oferece vagas de emprego para indústria, comércio, prestação de serviços e construção civil; mais 5,5 mil serão atendidas nesta quinta, dia 02

 

Volta Redonda se firma como a Cidade de Emprego com a realização do primeiro Mutirão do Emprego em comemoração ao Dia do Trabalhador. A iniciativa, inédita na região, fez mais de 25 mil atendimentos nesta quarta-feira, dia 1º de maio, na Ilha São João no feriado e ainda foram distribuídas mais 5,6 mil senhas para as pessoas que estavam na fila poderem voltar nesta quinta-feira, dia 02. Ao todo, a iniciativa atraiu cerca de 30 mil pessoas, entre candidatos e acompanhantes.

 

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Volta Redonda, Joselito Magalhães, explicou que o tempo de atendimento no primeiro dia do mutirão foi estendido e “para dar outra chance às pessoas que ainda estavam na fila foram distribuídas senhas para que compareçam nesta quinta-feira, dia 02, a partir das 8h, para a continuidade do Mutirão do Emprego”, falou.

 

Ele acrescentou que o acolhimento aos candidatos gerou quase trinta mil atendimentos, “pois cada pessoa passou pelo menos por três postos de triagem e em até duas empresas para entrevista”, ressaltou Joselito.

 

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, ficou satisfeito com o resultado do Mutirão do Emprego e lembrou que esse foi apenas o primeiro evento do tipo. “A nossa gestão sempre foi voltada para a geração de empregos. Transformamos Volta Redonda na Cidade do Emprego”.

 

A prova disso é que Volta Redonda foi a cidade que mais gerou empregos no Estado do Rio nos últimos doze meses. “Fechamos o ano de 2018 com saldo positivo de 2.652 vagas, segundo dados da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia”, afirmou Samuca.

 

A Ilha São João foi transformada num centro de atendimento ao trabalhador com estandes de empresas dos setores da indústria, comércio, prestação de serviços e construção civil e ainda contou com a presença de entidades educacionais voltadas para capacitação profissional.

 

O tempo de espera foi recompensado com o sorriso no rosto para o trabalhador que conquistou um agendamento de entrevista. E a passagem para a segunda etapa foi comemorada também pela equipe que atuou no evento. Toda estrutura da prefeitura foi disponibilizada com cerca de mil funcionários somados a voluntários das universidades de Volta Redonda.

 

O morador do bairro Santo Agostinho, em Volta Redonda, Jeferson de Oliveira, chegou na fila à meia-noite desta terça-feira, dia 30 de abril, e só relaxou após o agendamento de sua entrevista para programador de carga na empresa Cinbal para daqui uma semana.

 

“Valeu o esforço. Estou muito contente por ter passado para a segunda fase da entrevista”, falou, elogiando a iniciativa do prefeito Samuca. “Só fiquei sabendo dessa vaga por conta do evento”.

 

Gabriel de Souza Silva, do bairro Retiro, também em Volta Redonda, fará entrevista no próximo dia 15 de maio para operador de ponte rolante na CSN (Companhia Siderúrgica Nacional).

 

“Cheguei a 1h30 da manhã e antes do meio-dia fui recompensado. Agora é me preparar para a próxima etapa”, disse, lembrando que o direcionamento do currículo para as vagas disponíveis durante o evento fez toda diferença.

 

Murilo de Almeida Pereira Júnior veio de Barra Mansa para o Mutirão do Emprego em Volta Redonda e também teve uma entrevista agendada pela CSN. “Estou desempregado há dois anos, esse mutirão vai mudar minha vida”.

 

Marlon da Silva Gouveia é de Barra do Piraí e vai fazer nova entrevista de emprego para a CBSI. Ele concorda que o direcionamento para as vagas disponíveis foi fundamental. “A metodologia utilizada no atendimento pode me fazer ganhar a vaga de marteleiro, sendo que no meu currículo havia várias outras especialidades. Acabamos ficando focados e perdemos oportunidade. Valeu pelo mutirão”, afirmou, garantindo que, se for empregado, fará a mudança para Volta Redonda.

 

Fábrica de Talentos

 

O Mutirão do Emprego também marcou o lançamento da Fábrica de Talentos. O projeto, que será permanente em Volta Redonda, no evento acolheu os trabalhadores que não se encaixaram nas vagas de emprego oferecida no mutirão. O objetivo é da Fábrica de Talentos é formar mão de obra especializada, oferecer capacitação, cursos, preparação para uma próxima vaga.

 

O trabalhador que foi à Ilha São João contou com estandes de órgão municipais como a Fundação Beatriz Gama (FBG), a Fevre (Fundação Educacional de Volta Redonda), Secretaria de Educação, UniPOP, além de entidades como Senac, Sesi/Senai, Faetec e Sest/Senat.

 

Ana Carolina Braz, do Jardim Amália II, em Volta Redonda, foi ao mutirão para tentar conquistar uma vaga como recepcionista, mas admite que seu talento está na área de estética. “Já tenho formação como manicure, mas me inscrevi no curso de depiladora na FBG para estar apta em mais uma especialidade”, disse.

 

Já Rodrigo do Nascimento, que mora no Núcleo Princesa Isabel, também em Volta Redonda, foi ao estande da Fevre. “Estou interessado no curso de pedreiro e alvenaria de interiores”, falou, contando que fez entrevista para atendente de drogaria durante o mutirão. “Quero me qualificar e abrir o leque”.

 

Por Renata Borges – Secom/VR