Cerca de 2.700 toneladas de lama e entulhos foram retiradas das ruas, nesta terça-feira, dia 09

 

Nesta terça-feira, dia 09, as equipes da prefeitura de Volta Redonda deram continuidade aos serviços de limpeza e manutenção da cidade. A força tarefa, formada por equipes de vários setores, está trabalhando pelo terceiro dia consecutivo para minimizar os transtornos causados pela forte chuva do último domingo, dia 07, e dessa terça-feira, dia 09. Mais de 600 funcionários da secretaria municipal de Infraestrutura estão atuando nas ruas da cidade.

 

O Prefeito Samuca Silva, assinou um decreto de emergência fazendo com que os trabalhos acelerem, amenizando os efeitos da chuva em toda a cidade. “Toda estrutura da prefeitura está a serviço da população. O objetivo é que a cidade volte à normalidade o mais rápido possível. Nossa cidade e região sofreram com a grande quantidade de chuva. Estamos atuando em toda cidade, realizando a limpeza e desobstrução de vias. Nossas equipes estão empenhadas e trabalhando direto”, comentou o prefeito.

 

“Nós já recolhemos cerca de 2.700 toneladas de lama e entulhos das ruas por 50 caminhões que estão ajudando nos trabalhos. A SMI atuou em mais de 30 ruas nesta terça-feira”, contou o secretário de Infraestrutura, Toninho Oreste. Algumas ruas ainda estão sendo liberadas pelas equipes, como é o caso da Av. Mantiqueira, no Retiro; e a Rua Cabo Frio, no Siderlândia.

 

Varias escolas também estão sendo limpas pelas equipes da SMI, como a Escola Municipal Pará, no Retiro; e a Creche Ayrton Senna, na Vila Santa Cecília, que também devem ser liberadas ainda nesta terça-feira.

 

A SMI dispõe de uma equipe de plantão, atuando 24 horas, devido às chuvas. A previsão é que toda a cidade volte à normalidade em uma semana, caso não chova novamente. Qualquer problema as pessoas podem procurar a secretaria através do telefone (24) 3339-9127 ou 3339-9528.

 

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto informou que o serviço de distribuição de água já foi normalizado. O abastecimento é gradativo. A tendência é que os bairros mais altos e mais distantes (chamados pontas de rede) demorem mais a receber água. Outro agravante é a utilização de muita água para lavagem das casas, calçadas, ruas e carros após o temporal, o Saae pede que as pessoas utilizem de forma consciente. 

“Aproximadamente 130 viagens de caminhões pipa foram realizadas, desde domingo. Priorizamos hospitais, escolas, creches e demais instituições. Essa operação vai continuar enquanto durar esse momento de crise”, disse o diretor presidente do Saae-VR, José Geraldo Mattea. Ele completou que hoje foram disponibilizados 120 pessoas das equipes de manutenções de água e esgoto para atuarem nas intercorrências.

 

Já a Secretaria Municipal de Ação Comunitária (Smac) está com equipes atuando durante o dia todo nos bairros mais atingidos pela chuva como São Cristóvão, Retiro, Vila Brasília, Rústico, 249 e Siderlândia. Até agora 123 famílias estão desalojadas e nenhuma desabrigada.

 

A aposentada Geralda de Campos Viveiros, 70 anos moradora do bairro Siderlândia teve parte da sua casa atingida pelo barranco que desceu. Ela foi  atendida pela equipe do Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do seu bairro. “A casa do lado foi interditada pela Defesa Civil e vamos ficar na casa da minha filha. Acabei de falar sobre a minha situação para a equipe do Cras que veio me procurar. É um momento muito difícil, mas é bom saber que tem gente preocupada com a nossa situação”, disse a aposentada.

 

A psicóloga e coordenadora técnica do Cras Siderlândia, Viviane Costa Arêdes da Silva, explica que as equipes estão percorrendo as ruas do bairro e atendendo as famílias que estão em situação de risco. “Só ontem atendemos 23 famílias e hoje continuamos o trabalho. Estamos articulando com a rede de atendimento de Volta Redonda e verificando a melhor forma de ajudar essas famílias”, contou a psicóloga.

 

Carolina Aparecida Leite, 32 anos, dona de casa teve sua casa alagada nessa madrugada. Ela também está sendo atendida pela Secretaria de Ação Comunitária. “Estava dormindo e levantei para beber água e vi que minha casa estava inundada até a altura da canela. Quando voltei para o quarto percebi que a água estava subindo muito rápido. A equipe do Cras me orientou a sair de casa e estou indo para a da minha mãe. Esse cuidado que recebemos dessa equipe é fundamental para a gente passar por esse momento tão difícil”, disse a moradora.

 

De acordo com o Secretário de Ação Comunitária, Marcus Convençal, os ginásios do bairro 249, Ilha São João e Retiro, além do Estádio Municipal, estão disponíveis para funcionar como abrigos, caso haja necessidade. “A orientação para as pessoas que precisam de assistência e que, por acaso, ainda não foram contatadas pela Smac, é procurar o CRAS mais próximo da residência para orientações, intervenções e encaminhamentos pertinentes”, disse o secretário lembrando que as doações de alimentos podem ser realizadas na Arena e no CRAS mais próximo.

 

A secretaria de Esporte e Lazer de Volta Redonda (SMEL) informa que os ginásios dos bairros Retiro, Vila Rica/ Tiradentes, Santa Cruz, Santo Agostinho, Siderlândia, Açude e Ilha São João seguem com suas atividades suspensas temporariamente. O ginásio do bairro São Geraldo está atendendo parcialmente em alguns programas da SMEL. A Arena do Aterrado e o ginásio da 249 seguem com a programação normal de atividades.

 

Por Ana Maria, Renan Ferreira, Maria Clara Sales e Fátima Santos com fotos de Gabriel Borges - SecomVR