Saúde realiza Fórum de Práticas Integrativas e Complementares no SUS 

Em Volta Redonda são oferecidas homeopatia, terapia comunitária, acupuntura e fitoterapia

 

Apresentar as práticas integrativas e complementares do SUS (Sistema Único de Saúde) oferecidas em Volta Redonda para os profissionais da Rede Municipal de Saúde para que saibam identificar as demandas entre a população foi o principal objetivo do fórum realizado na manhã desta quinta-feira, dia 29. O encontro com cerca de cem profissionais, entre médicos, dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde, foi no auditório do UGB (Centro Universitário Geraldo Di Biase).

 

De acordo com a coordenadora da Área Técnica de Práticas Integrativas da Secretaria de Saúde, Fabíola Angelita Martins, Volta Redonda oferece quatro tratamentos complementares: homeopatia, terapia comunitária, acupuntura e fitoterapia – por meio da Farmácia Viva. “Essas práticas, indicadas como tratamento em conjunto com as convencionais, valorizam o auto cuidado e autoestima do paciente. São opções para promoção e ainda prevenção à saúde”, explicou.

 

Fabíola abriu o ciclo de palestras sobre o tema falando do “Estado Atual das Práticas Integrativas em Volta Redonda”. Ainda foram abordados a “Interprofissionalidade no Ambiente Acadêmico”, para apresentar as práticas integrativas aos universitários; “Terapia Comunitária”; e “Dança Circular”, uma forma de meditação em movimento, conduzida por psicóloga.

 

A gerente da Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) Retiro I, a enfermeira Sueli Salume, que está no cargo há dez anos, acredita nas práticas integrativas para agregar ao tratamento convencional. “O fórum nos ajuda a identificar os pacientes com indicação para os tratamentos complementares”, disse.

 

A agente comunitária de saúde da Unidade Básica de Saúde do bairro São João, há três anos, confessou que ainda não conhece as práticas integrativas oferecidas na rede pública municipal. “O encontro foi esclarecedor. Nossa função é fazer o contato direto com as pessoas. Conhecendo os tratamentos complementares podemos perceber quem está precisando”, acredita.

 

O fórum foi realizado com a participação do Conselho Municipal de Saúde; do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador), que poderá utilizar as práticas para o cuidado com o profissional da Saúde; da Secretaria de Transparência e Modernização da Gestão (Seplag), que faz o planejamento do cultivo das plantas medicinais; e da FBG (Fundação Beatriz Gama), que sedia o cultivo e o laboratório da Farmácia Viva.

 

A presidente da FBG, Cláudia Dornelas, esteve no fórum e falou que é uma satisfação abrigar o programa de fitoterapia de Volta Redonda. “O cuidado com a saúde é fundamental para trabalho de acolhimento às crianças que a fundação realiza. Então é justo que recebamos o programa com orgulho”, falou.

 

O secretário de Saúde Volta Redonda, Alfredo Peixoto, ressalta a importância da capacitação dos profissionais para que as práticas integrativas oferecidas pelo município sejam eficazes. “Os profissionais de diversas áreas da Rede Municipal de Saúde têm que conhecer os serviços para poder indicar a quem precisa”, afirmou.

 

O prefeito do município, Samuca Silva, ressalta que qualquer serviço que contribua para a promoção ou prevenção à saúde da população deve ser incentivado e valorizado. “As práticas alternativas devem ser cada vez mais inseridas como complementares ao tratamento convencional. E os nossos profissionais têm que estar aptos para identificar essa demanda”, falou.

 

Por Renata Borges com fotos de Geraldo Gonçalves – Secom/VR