Processos de contratação das estruturas foram encaminhadas para o MP como transparência

 

A luta contra o Novo Coronavírus está acontecendo há meses em Volta Redonda. Toda estrutura da prefeitura municipal segue empenhada em controlar a circulação do vírus na cidade e o foco é salvar vidas. No Hospital de Campanha, montado pelo poder público no Estádio Raulino de Oliveira, a diariamente o clima é de vitória, quando algum paciente recebe alta do tratamento.

 

Na última semana uma das vitoriosas contra a Civid-19, foi a Ana Claudia da Costa Mendonça, de 30 anos, que recebeu alta na sexta-feira, dia 19. “O atendimento foi muito bom e a equipe é empenhada, todos são muito educados e atenciosos. A estrutura, como um todo, me surpreendeu. A gente acha que por ser uma estrutura temporária seria cheia de problemas, mas não. É tudo bem equipado, os banheiros são arrumados. Estou muito agradecida pelo tratamento que recebi lá”, contou Ana Claudia.

 

O Hospital tem capacidade total de 114 leitos e recebe pacientes através de nove portas de entrada: Hospital do Retiro e São Batista, Cais Aterrado e Conforto,  Upa Santo Agostinho e das quatro Unidades de Referência para o tratamento da Covid-19 que ficam nos bairros 249, São João, Volta Grande e Vila Mury.

 

Com estrutura temporária para seis meses, o Hospital de Campanha visa evitar a maior ocupação de leitos na rede de saúde do município. O local tem custo mensal de cerca de R$ 270 mil. São mil metros quadrados com piso estruturado nivelado e elevado a 10 cm do chão, em chapa de compensado naval plastificado, com salas de estrutura octanorm, com climatização através de 30 aparelhos de ar condicionado (30 mil BTUS), além de fornecimento e instalação de iluminação de acordo com padrões hospitalares, quadro de energia independentes, entre outros.

 

O prefeito Samuca Silva, lembrou que uma ação que muitos viam como precipitada, está fazendo toda a diferença no atendimento à população, e ajudando a salvar vidas. “Nós começamos a tomar decisões de enfrentamento à Covid-19 bem cedo. E isso ajudou para que nosso sistema de saúde não ficasse sobrecarregado. Com o Hospital de Campanha e a capacidade de atendimento a população, que conseguimos o acordo para a reabertura das atividades econômicas”, disse Samuca.

 

Segundo o prefeito, em levantamento recente realizado, ficou demonstrado que o Hospital de Campanha de Volta Redonda tem uma das estruturas mais baratas do Brasil. “E trabalhamos com transparência o tempo todo. Criamos o portal de transparência onde a população pode acompanhar diariamente os gastos que temos com a Covid-19. E todas documentações referentes a contratação e implantação do Hospital de Campanha foram encaminhadas para o Ministério Público acompanhar. Nosso sistema de contratação foi até base para outras cidades, conforme o próprio MP nos informou”, acrescentou Samuca.

 

De acordo com a secretária municipal de Saúde, Flávia Lipke, toda a equipe que trabalha no hospital merece reconhecimento pela dedicação diária. “Os profissionais de saúde por si, já merecem todas as homenagens do mundo. Sou muito grata pelo empenho das nossas equipes de linha de frente”.

 

A equipe multidisciplinar da unidade é composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, psicólogos, assistente social, fisioterapeuta, nutricionista e farmacêutica, além da equipe de apoio do Centro de Imagem, do Núcleo Interno de Regulação e de higiene, altamente treinada e de fundamental importância.

 

Nos próximos dias o hospital ganhará leitos de UTI/CTI para que as cirurgias eletivas possam voltar nas demais unidades de saúde. "Vamos direcionar os leitos de UTI para o Hospital de Campanha, viabilizando assim uma estrutura própria referência para proteger os pacientes que não possuem Covid. Isso possibilitará um planejamento para outras cirurgias eletivas retornarem”, disse Flávia

 
Secom VR – com fotos de divulgação