Projeto Diabéticos em Ação, da secretaria municipal de Saúde, prevê a realização de encontros com diabéticos do município a cada quinze dias

 

O José Adilson Laranjeira, morador do bairro Belo Horizonte, 57 anos, tem diabetes há 20 anos. Ele conta que demorou a levar a sério o seu tratamento. “Várias vezes deixei de tomar o meu remédio. Ia ao médico, mas não tinha nenhum compromisso com minha saúde. Há mais ou menos três anos, quando estava pegando remédios apenas para a minha sobrinha, fui convidado a participar dessa roda de conversa. Retomei meu tratamento e hoje não tem nada que me faça faltar a essas reuniões. Aqui aprendi a respeitar as pessoas e a me respeitar e me cuidar”, disse o senhor José.  

 

“Tinha medo de terminar minha vida como alguns colegas que tinham diabetes. Aqui me sinto fortalecido e capaz de ter uma vida saudável. A cada depoimento dos outros participantes eu tenho certeza que estou no lugar certo. Através desses encontros nos fortalecemos e trocamos nossas experiências”, desabafou senhor José.

 

Ele está falando do projeto Diabéticos em Ação, da secretaria municipal de Saúde de Volta Redonda, que prevê a realização de encontros com diabéticos do município a cada quinze dias. O objetivo é de ajudar esses pacientes a superarem as dificuldades que eles apresentam diante as mudanças do seu cotidiano referente à sua patologia como reeducação alimentar e uso dos seus insumos e responsabilidades diárias.   

 

A equipe, composta por uma farmacêutica, uma assistente social e uma assistente administrativa, atende a cada encontro cerca de 20 pacientes. “A maioria dos pacientes não querem participar apenas dos três encontros previstos no projeto. Vão ficando e melhorando, a cada dia, sua saúde. É uma troca de experiências que os deixam mais fortes e focados”, disse a farmacêutica Gisele da Cunha.

 

A assistente social Maria Helena Batista Franco explica que a ideia de criar o Diabéticos em Ação surgiu devido à demanda apresentada pelo publico alvo. “Observamos a necessidade de uma ampliação de atendimento a estes usuários e por isso propomos a criação dessas rodas de conversas, que proporciona aos assistidos um espaço de diálogo e escuta, promovendo a troca de experiência e interação, o que leva a um envolvimento na prática de hábitos saudáveis e consequentemente melhora a sua qualidade de vida”, explica a assistente social.

 

Shirlei Noeme, 53 anos, moradora do bairro Santa Rita do Zarur também participa do Diabéticos em Ação. “Eu cuido do meu sogro que tem diabetes há mais de vinte anos. Numa dessas idas a farmácia para pegar os insumos para ele eu participei de uma reunião onde comentei que minha glicose estava oscilando. Elas aferiram minha glicose que estava alta. Daqui já ligaram para a unidade de saúde do meu bairro, marcaram uma consulta, fiz os meus exames e agora vou levar os resultados ao médico. Essa é segunda vez que venho às reuniões. Agora estou consciente do perigo de não se cuidar, de como substituir os alimentos. E ainda ensino ao meu sogro tudo que aprendo aqui”, disse Shirlei.

 

O prefeito Samuca Silva destaca que iniciativas como essas demonstram que em Volta Redonda o paciente é tratado na integralidade. “Estamos humanizando os tratamentos oferecidos em nosso município. Queremos oferecer os medicamentos necessários a cada um deles, mas também nos preocupamos se os pacientes sabem como utilizá-los corretamente. Além disso, queremos que eles entendam as suas patologias e que tenham uma vida saudável”, disse o prefeito.

 

O secretário municipal de saúde, Alfredo Peixoto, ressaltou que durante os encontros os profissionais de saúde esclarecem sobre as doenças, incentivam a mudança de hábitos de vida e conscientizam os pacientes quanto à importância de seguir o tratamento corretamente. “Nosso objetivo é de enfatizar os riscos que essas doenças não cuidadas de forma correta podem acarretar na vida dessa população alvo e a importância de aderir ao tratamento, dieta e atividade física”, concluiu o secretário.

 

Por Fátima Santos - SecomVR