Comércios, igrejas e outros locais que podem gerar aglomeração vistoriados visitados

 

Com as novas medidas de combate ao Covid-19, o novo coronavírus, uma equipe de fiscais da Prefeitura de Volta Redonda está percorrendo a cidade para coibir que os locais previstos no Decreto número 18.064, como igrejas e bares, estejam abertos ao público. Durante todo o fim de semana, diversas denúncias de irregularidades foram atendidas pela equipe, que podem ser registradas no número 156. “Com as novas medidas, estamos recebendo diversas denúncias da população sobre estabelecimentos abertos, aglomerações e outras irregularidades e pedimos que todos colaborem e nos informem sobre esses casos”, disse o prefeito Samuca Silva.

 

Os estabelecimentos que não cumprirem as medidas poderão ser multados e seus alvarás cassados. “Através do decreto, e uma decisão judicial, estabelecemos o fechamento de uma parte que não é essencial do comércio, aqueles que insistirem em não cumprir essa norma terá seu alvará cassado”, explicou o prefeito Samuca.

 

Seguindo uma orientação do Ministério da Saúde, a prefeitura não vai mais divulgar casos suspeitos. Atualmente, Volta Redonda conta com quatro casos confirmados da doença e nenhuma morte. “Estamos seguindo a norma do Ministério da Saúde e não divulgando mais os suspeitos. Esses novos dois casos ainda precisam de contraprova, mas, com muita transparência, resolvemos comunicar a população. Lembrando que é essencial que a população colabore e fique em casa. Assim, evitamos o contato social, a maior forma de transmissão do vírus”, contou o prefeito.

 

Medidas adotadas

 

- O comércio de restaurantes e lanchonetes só poderão funcionar em Delivery.

 

- A Feira Livre está suspensa a partir de domingo, dia 22.

 

- Igrejas e templos religiosos também estão com suas atividades suspensas.

 

- Os ônibus da cidade terão reduzidos os números de passageiros, mantendo a distância de dois metros de um passageiro do outro.

 

- 100% do funcionalismo público trabalhando de casa (home office), com exceção dos serviços essenciais, como na saúde e segurança.

 

- Os estabelecimentos comerciais que estavam permitidos a funcionar, como supermercados e farmácias, poderão ficar abertos até às 20h. Com atendimento limitado nos caixas, mantendo a distância de um cliente para o outro e evitando aglomerações.

 

Secom VR com foto divulgação