Confira como utilizar a ferramenta pelo aplicativo ou pelo site

 

O cidadão de Volta Redonda já conta com o aplicativo Fiscaliza VR – ferramenta lançada oficialmente nesta semana e que tem como principal objetivo melhorar o atendimento à população, de acordo com o secretário municipal de Planejamento, Transparência e Modernização da Gestão, Enock Azevedo. A utilização do aplicativo é bem simples, semelhante ao uso de redes sociais. Ao acessar o aplicativo ou o site www.voltaredonda.rj.gov.br/fiscalizavr, o cidadão poderá cadastrar sua manifestação como anônimo ou se cadastrando no sistema. Em seguida, poderá escolher a subcategoria relativa ao problema:

 

As categorias são: Água e Esgoto (alagamentos, bueiros, falta de água, etc.); Iluminação e Energia (Fiação irregular, postes/cabos, etc.); Infraestrutura Urbana (buraco na via, semáforo, sinalização, etc.); Irregularidade (poluição sonora, ocupação irregular, etc.); Limpeza e Conservação (mato alto, coleta seletiva de lixo, manutenção de praças, limpeza de rua, etc.); Meio Ambiente (maus tratos a animais, poda e retirada de árvores, queimada irregular, poluição de rios e lagos, etc.); Pedestres e Ciclistas (acessibilidade, bicicletário, passarela, etc.), Saúde (saúde pública, vigilância sanitária, foco de dengue, fumacê, etc.); Ouvidoria Municipal (denuncia, reclamação, elogio, etc.); Serviços Públicos (“Minha Casa, Minha Vida”, escolas, Aldeia Digital, atendimento turístico, esporte, assistência social, etc.); Transporte Público (ônibus danificado, horário de ônibus, etc.); Urbanismo (imóvel abandonado, equipamento público danificado, etc.).

 

O cidadão irá descrever o problema, indicar o bairro da ocorrência e ponto de referência, explicou o diretor de Modernização e Inovação da Seplag (Secretaria Municipal de Planejamento, Transparência e Modernização da Gestão), Igor Souza. “Ele também poderá anexar uma foto da ocorrência. A manifestação será recebida pela CAU e enviada para a secretaria responsável, que irá informar ao usuário toda vez que houver alguma ação movida para resolução do problema”.

 

O secretário Enock Azevedo destacou que o prazo de resposta será de até 48h para todas as manifestações, para que elas sejam pelo menos respondidas ao cidadão quanto ao seu andamento e quanto aos próximos passos para que ela seja atendida. “A ideia é modernizar o processo todo, com mais e melhores recursos, como análise georeferenciada, gráficos interativos e muito mais, permitindo um melhor atendimento por parte do poder público”.

 

Tanto pelo aplicativo quanto pelo site, o cidadão tem um perfil no qual pode ver todas as suas ocorrências criadas de forma individualizada, além de fazer a gerência sobre elas. Segundo o diretor Transparência e Controle Social da Seplag, Marcos Vinícius Delgado, o cidadão poderá ainda acompanhar registros de outras pessoas, clicando no ícone Apoiar, no formato de uma mão indicando sinal positivo.

 

“Ao clicar nessa opção, o cidadão receberá informações sobre o andamento da solicitação. Se ele visualizar, por exemplo, uma reclamação sobre algum problema na rua em que ele mora, poderá apoiar esse registro para se manter atualizado”, explicou Marcos.

 

Em cada registro, é exibido o número do protocolo, a data de abertura e o tipo da solicitação, a quantidade de visualizações e de pessoas que estão acompanhando o registro, além de foto do problema quando for disponibilizada pelo cidadão. O cidadão irá receber notificação no celular e por e-mail toda vez que a demanda dele tiver uma movimentação. Ele também receberá uma ligação da CAU (Central de Atendimento Único) pedindo a avaliação do serviço prestado.

 

De acordo com o prefeito Samuca Silva, a modernização por meio do Fiscaliza VR vai colaborar na melhora da prestação dos serviços públicos. “Queremos diminuir o tempo de atendimento do serviço prestado ao cidadão. O Fiscaliza VR é um marco para Volta Redonda, facilitando, sobretudo, o controle social, que poderá ser feito sobre as ações e os serviços da prefeitura. Tudo isso de forma transparente”, afirmou Samuca Silva.

 

Por Raphael Martiniano, com fotos de Gabriel Borges / SecomVR