Os novos membros ficarão a frente do Conselho por dois anos

 

Foram empossados na manhã desta segunda-feira, dia 6, os novos membros do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Volta Redonda, que é composto por titulares e suplentes da Sociedade Civil Organizada e do Poder Executivo Municipal, além de dois adolescentes eleitos em fórum próprio. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente propõe, delibera e controla as políticas públicas municipais voltadas para crianças e adolescentes. Os novos membros ficarão a frente do Conselho por dois anos, sendo de abril de 2019 a 2021.

 

Os conselheiros da Sociedade Civil Organizada reúnem integrantes das seguintes entidades: Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (Apae); Casa da Criança e do Adolescentes de Volta Redonda; Associação dos Pais e Amigos dos Deficientes Físicos (Apadefi); Instituto de Desenvolvimento, Estudo, Ações e Implementações Sociais (Ideiais); Lar e Escola Recanto das Crianças; Pastoral da Criança; Associação Beneficente Evangélica de Volta Redonda (Abe/VR); Fundação CSN; e Lar Espírita Irmã Zilá (Leiz). E do poder público, representantes das secretarias de Ação Social, Esporte e Lazer, Cultura, Educação, Saúde, Estratégia Governamental, Planejamento e Fevre.

 

O novo presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA), Guilherme da Silva Benedito, e representante da Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Físicos de Volta Redonda (Apadefi), destacou a importância de assumir o conselho “Estou muito feliz em assumir essa função e também ciente do desafio e responsabilidade que é ser presidente de um órgão responsável pelo fomento de direitos e garantias das crianças e dos adolescentes. Sabemos que eles são o nosso futuro, mas para ser o futuro precisam ser tratados como presente”, disse o presidente.

 

O prefeito Samuca Silva agradeceu aos membros que estavam à frente do CMDCA pelos avanços alcançados e desejou sucesso aos novos membros do Conselho. Samuca destacou ainda que o conselho tem um papel relevante e essencial, e tem que cobrar políticas publicas. “Vocês tem que cobrar tanto através do Eca quanto do nosso plano de governo. Esse governo prega a participação popular e o controle social. É importante ouvir as pessoas para que possamos construir uma cidade melhor. Ouvir, debater, divergir, mas construir. É isso que fazemos”, concluiu o prefeito.

 

Por Fátima Santos, com foto de Evandro Freitas - SecomVR