Mais de 60 crianças participaram da ação em Volta Redonda

 

Neste sábado, dia 03, a Secretaria de Esporte e Lazer de Volta Redonda (SMEL) realizou a Copinha entre Núcleos, no ginásio do bairro de Santo Agostinho. A ação contou com a participação de quatro núcleos da cidade: Santa Cruz, Roma, Santo Agostinho e Nova Primavera e mais de 60 crianças participaram. A copinha foi disputada pelos alunos do Projeto de Iniciação Desportiva (PID) nas categoria sub 11 e sub 13 na modalidade futsal.

 

A secretária de Esporte e Lazer, Maria Paula Tavares destacou a importância dessas ações para os alunos dos projetos da SMEL. “São ações que visam não só o fomento às práticas esportivas, mas o convívio social entre os atletas e a participação das famílias que incentivam e apoiam os alunos”, disse.

 

Segundo Mário Francisco pai do Rian Lucas, perdendo ou vencendo os pais devem incentivar seus filhos. “Vim torcer pelo meu filho e passar uma energia boa para ele. Ele adora futebol, assiste muita TV e se inspira e treina muito. Essas ações são importantes pois passam valores aos crianças”, disse. Quem também foi torcer pelo filho foi Eduardo do Nascimento. “Moro aqui no Santo Agostinho e vim babar um pouco como pai, no meu filho Eduardo, de nove anos. Ele até gosta de futebol, mas prefere o americano. Quando ele ficar mais velho vou levá-lo para participar”, falou.

 

O prefeito Samuca Silva enfatizou que o PID é um importante projeto da SMEL para crianças e adolescentes. “O Projeto de Iniciação Desportiva da SMEL atende crianças de seis a 17 anos em diversos núcleos da cidade, realizando um trabalho incrível de incentivo ao esporte e fomento ao exercício físico. Essas ações são relevantes para estimular esses alunos e atletas, fazendo com que eles se sintam valorizados. Fico feliz em ver como eles se dedicam para essa ações”, disse.

 

Para Lucas Modesto, de 12 anos, participar dos jogos assim é sempre muito divertido e diferente do dia a dia. “Estou representando o ginásio do meu bairro e fico feliz, adoro ser goleiro e queria muito virar profissional. Eu me imagino catando no Maracanã. Achei legal essa atividade diferente, jogamos com times de outros locais e fizemos amizade também”, contou.

 

Por Maria Clara Sales com foto Gabriel Borges – Secom VR