Samuca Silva abre oficinas sobre segurança alimentar nutricional

Volta Redonda, ao lado de Duque de Caxias, são os únicos municípios do estado que aderiram ao Sisan e objetivo do encontro é fortalecer o sistema

 

O prefeito Samuca Silva participou na manhã desta quinta-feira, dia 4, da abertura do evento “Oficinas Regionais – Fortalecendo o Sisan no Rio de Janeiro”, realizado no auditório do Saae-VR (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Volta Redonda). Esse é o quarto encontro com objetivo de sensibilizar os municípios do Médio Paraíba para aderirem ao Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan).

 

“Precisamos ter uma atenção muito especial às nossas crianças. Muitas estão cada vez mais obesas, seja por uma fragilidade de alimentação, pelas condições econômicas, tempo dos pais cada vez mais curto, ou até mesmo pela conveniência. Volta Redonda está à disposição para mapeamento da nossa rede para que possamos traçar um plano de ação para atender as nossas cerca de 30 mil crianças matriculadas”, frisou o prefeito.

 

O secretário municipal de Ação Comunitária, Marcus Vinícius Convençal, lembrou que Volta Redonda estabeleceu uma agenda de compromissos com a temática de segurança alimentar nutricional a partir de fevereiro de 2017.

 

“Desde então, reordenamos o Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, realizamos novas eleições, atualizamos o regimento interno, oportunizamos várias capacitações, inclusive com a equipe da subsecretaria, que em estreita parceria já esteve aqui várias vezes nos orientando”, contou o secretário.

 

Também presente na abertura do evento, a secretária executiva da Caisan (Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional) no estado do Rio, Karine Costa, reforçou a importância da parceria com entre os municípios, e os governos estaduais e federais, visando fortalecer o Sisan.

 

“Escolhemos Volta Redonda porque queremos passar a experiência da cidade para que outros municípios consigam compreender melhor o que é esse sistema e, principalmente, para combatermos a fome e promover a alimentação adequada para a população. Somente com a união entre Estado, municípios e Governo Federal que a gente pode avançar na política de segurança alimentar nutricional”, explicou Karine Costa, que também é subsecretária de Articulação Institucional da Sectids (Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social).

Oficina reúne representantes do Médio Paraíba

 

Dentre os representantes dos municípios do Médio Paraíba, esteve presente a subsecretária de Assistência Social e Direitos Humanos de Rio Claro, Greicy Hellen Santana de Assis, que contou ser a primeira vez que participa de uma oficina do Sisan.

 

“O objetivo é entender o funcionamento da estrutura para passarmos para o município. A gente tem uma articulação com os secretários de assistência e da gestão de política de assistência dentro do Médio Paraíba, e o convite surgiu desse grupo. A gente conhece essa experiência de Volta Redonda que estimulou nossa participação”, afirmou a subsecretária.

 

A oficina também contou com uma participação da coordenadora de Segurança Alimentar e Nutricional da Smac (Secretaria Municipal de Ação Comunitária), Gisele Cristina Araujo de Almeida, que falou da participação de Volta Redonda como um dos dois municípios que aderiram ao Sisan.

 

“Por Volta Redonda ser o município da região que aderiu ao Sisan, as oficinas, que são anuais, acontecem aqui no município. Eles nos escolhem também por sermos referência em segurança alimentar nutricional, com o banco de alimentos, restaurante popular, o Cepa (Centro de Educação e Produção Alimentar), hortas comunitárias, hortas nos Cras (Centro de Referência e Assistência Social)”, contou Gisele.

 

O prefeito Samuca Silva aproveitou a oportunidade para ressaltar que Volta Redonda está promovendo uma grande reforma no sistema de assistência social do município, colocando a técnica à frente da política.

 

“Temos o mercado de orgânicos, que será o primeiro público do estado. O projeto já foi aprovado em todas as estruturas, conselhos, está na fase de licitação. Também temos cerca de 40% da nossa produção da merenda escolar com produtores locais e orgânicos e estamos em busca da certificação dos nossos produtores”, afirmou Samuca Silva, acrescentando que a prefeitura está criando uma Subsecretaria de Economia Solidária.

 

“É outro importante instrumento. Já temos a moeda, que é o Arigó, e promovemos vários festivais de Economia Solidária. O próximo passo é incentivar os produtores locais. Através da produção local, em um momento de desemprego, damos a oportunidade de as pessoas trabalharem e se alimentarem”, disse Samuca Silva, lembrando ainda do Restaurante Popular que, segundo ele, “é uma moeda social que não pode se tratada como política, e efetivamente coloca comida na vida das pessoas”.

 

Por Raphael Martiniano, com fotos de Gabriel Borges / SecomVR