Feira de Artesanato de Volta Redonda investe em artigos natalinos

Exposição é mensal em diversos pontos comerciais do município; nesta quinta-feira, dia 01, artesãos estavam na Praça Sávio Gama

 

Os artigos natalinos foram novidade na primeira Feira de Artesanato de Volta Redonda do mês de novembro. A proximidade com o Natal aumenta a oferta de produtos temáticos, com as técnicas características de cada artesão. A exposição está a cada fim de semana em um ponto comercial do município com peças em pachwork, pinturas, madeira, material reciclado para uso pessoal e decoração, além de gastronomia. No próximo sábado e domingo, dias 10 e 11 de novembro, tem “Vem pra Brasil”, na Praça Brasil, na Vila Santa Cecília.

 

A artesã Raquel Monsôres apostou nos artigos natalinos em feltro pela proximidade do fim do ano. “Tenho peças decorativas e utilitárias ao mesmo tempo. As opções passam por porta-guardanapos, toalhas de mão e porta objetos, por exemplo”, disse.

 

Já Denise Faria, que trabalha com artesanato em MDF, também investiu na decoração natalina como carro-chefe para as feiras de artesanato em novembro e dezembro. “O Natal, historicamente, impulsiona as vendas. Tenho castiçais, enfeites de porta, quadros e outros produtos”, falou.

 

De acordo com a secretária de Cultura de Volta Redonda, Aline Ribeiro, as feiras de artesanato divulgam o trabalho e garantem vendas para os artesãos do município. “Nesta época do ano, os artigos natalinos são um chamariz a mais. Porém, as opções para presentear são variadas e com preços acessíveis ao consumidor”, afirmou a secretária.

 

O prefeito Samuca Silva afirma que a valorização dos empreendedores é um compromisso da gestão. “O artesanato gera renda e movimenta a economia do município”, disse o prefeito.

 

Moradora do Aterrado, Helena de Souza, estava encantada com os produtos. “Assumo que esta é a primeira vez que paro para conhecer os trabalhos, mesmo morando no bairro. Agora, estarei aqui em todas as edições, pesquisando preços e vendo as novidades”, contou.

 

A advogada Miriam Camilo é moradora do Santa Cruz, mas tem escritório no Aterrado. Diferentemente de Helena, frequenta a feirinha todos os meses. “A exposição fica no caminho entre a academia e o trabalho. Sempre paro para olhar os produtos e nunca saio com a sacola vazia”, confessou.

 

Por Renata Borges com fotos de Geraldo Gonçalves